quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Rolando os Dados

Agora nosso personagem está quase pronto. Falta um detalhe crucial!!



Olá senhoras e senhores roladores de dados, meus queridos e queridas jogadores de RPG (ou não). O post de hoje, mais curtinho, é pra falar sobre uma coisa que eu vi acontecer em mesa na última aventura que eu estava mestrando.



O grupo de aventureiros estava enfrentando um dragão negro, criatura do mal, poderosa, mete medo, etc. O grupo estava tomando um couro, apanhando legal, só que estavam conseguindo se segurar, causavam dano no dragão, o clérigo curava o grupo, aquela batalha em que os jogadores até temem pela vida de seus personagens, mas que, no íntimo, acreditam que vão vencer. No meio dessa briga épica, o mago fica com 1 ponto de vida.

Ele então deixa o local do combate, vai pra outra câmara do castelo do dragão, conjura uma cadeira e se "senta pra recuperar os pontos de vida" (ele tinha um colar que recupera 1 ponto de vida a cada 2 turnos).

Agora pensem comigo: tudo bem, o jogador olhou os números, temeu pela vida de seu personagem e deu 10 na pata, saindo de fininho e salvando-o.

Mas... será que aquele mago teria feito isso?

Outro dia ouvi a seguinte frase: "peraí, então são 18 orcs? Eu tenho 50 pontos de vida, causo 1d10+7 de dano e tenho resistência a dano 7. Os orcs causam no máximo 1db+4, dano médio de 8, vou tomar 1 ponto de vida por ataque, se tomar, e como eles tem uns 20 pontos de vida, pra cada dois ataques meus, cai um orc. Beleza, eu ataco"

Enxergam? Muitos jogadores vêem seus personagens apenas como números, e não como aventureiros com personalidade! Eu estou lendo um livro onde o personagem principal, um famoso e forte guerreiro se rende quando cercado por 4 aldeões armados com espadas. Ele até poderia derrotá-los, mas é um risco fútil naquele momento.

Sei lá, fico pensando. Por mais que um cara seja mundanamente forte, estar cercado por 18 orcs deve ser uma situação tensa. Da mesma forma, por mais que se esteja com 1 ponto de vida, será que um companheiro de aventuras (toddynho??) abandonaria seus amigos frente ao desafio mais difícil que já enfrentaram, deixando de usar suas preciosas magias no combate para conjurar uma cadeira e descansar confortavelmente enquanto eles se ferram?

Então amiguinhos, tentem pensar mais em seus personagens como "alguém" e não como "alguma coisa". É claro, se você quer que lembrem de "Harakel, o guerreiro que governou a vila de Valundra" ao invés de lembrarem "daquele guerreiro de força 18 que eu jogava".

Sutil diferença.

Mas, claro, lembrando: isso só vale se você quer um personagem marcante. Se você se diverte jogando do outro jeito, CONTINUE ASSIM! RPG é pra se divertir, e se você não está se divertindo, está jogando errado!

Que vocês rolem bons dados!! Até breve.

Um comentário:

Marcus Mattos disse...

Boa...
esse mago aí deve ser bom mesmo... mas me fala, ele poderia ajudar mto???
pq bolas de fogo não dão tanto dano... nem mão flamejantes(coitado do Burguiço)...
kkkkkkkkk...
bom post...parabéns